7 de fev de 2016

No solo sagrado 100 anos de samba, por Valéria del Cueto


A volta de Luisa Brunet na Lavagem da Sapucaí. Sempre rainha.
Em terra de bamba, escolas clamam às forças celestiais no centenário do samba na disputa do título de mais um carnaval carioca.
Texto e fotos de Valéria del Cueto
Se o Rio de Janeiro é a Meca do turismo no período de carnaval, o Desfile das Escolas de Samba, na Sapucaí, é a sua Caaba. Local de peregrinação necessária e indispensável na vida de sambistas e foliões apaixonados onde se reúnem, numa festa pagã e profana, adeptos de praticamente todas as correntes celestiais. O Sambódromo Darci Ribeiro é um espaço de exaltação e elevação, acredite!
Na Lavagem da Sapucaí com arruda, incenso, atabaques, cantoria e muito axé, após uma cerimônia ecumênica, a imagem de São Sebastião, padroeiro do Rio, abriu o cortejo embalado por sambas de enredo tradicionais.
Um novo tempero foi acrescentado à festa esse ano. A bateria da lavagem ganhou sua rainha. Mais uma você dirá... Não. Ela! Luísa Brunet novamente atravessou gloriosa a passarela, aplaudida pelas arquibancadas.  No fim do desfile a presença no Bonde da Alegria da professora Lígia Santos, neta de Donga, autor do samba “Pelo Telefone”, com o jornalista Mauro Almeida, homenageava os 100 anos do samba comemorados em 2016.
Alguma dúvida das boas e celestiais intenções da maior festa popular do planeta esse ano? Elas acabam já na entrada da escola que desde 2007 está fora do Grupo Especial, mas por ser a primeira, é essencial nesse desfile. 
Continua no link 

2 de fev de 2016

O carnaval (político) começou!


O arauto da folia politica é Celito, o bebum, assistindo ao discurso de abertura dos trabalhos legislativos do Congresso Nacional

- Renan Calheiros pede passagem antes da execução do Hino Nacional. - antecipa o bebum - depois,  fala Dilma, a presidente,  já devidamente fotografada com um pirulito da oposição com os dizeres: "Xô CPMF" - resume,  pedindo silêncio para ouvir suas palavras.


31 de jan de 2016

Frear, por Gabriel Novis Neves


Frear 
Estou pensando seriamente em frear um pouco as minhas atividades diárias, iniciando pelo ato de escrever. 
Um período de reflexão eu creio que seria útil para repensar sobre as misérias do nosso dia a dia. 
A política está cada vez pior com a deterioração das suas principais instituições. 
É tanta injustiça e desigualdade social, que a nossa população vive em estado permanente de perplexidade. 
A falta de pudor dos nossos governantes com a coisa pública está retirando da nossa gente a ilusão de dias melhores, assim como a autoestima e autoconfiança. 
As castas ainda existem em pleno século XXI em um país dito democrático e socialista. 
A insatisfação e a ausência de perspectivas estão afastando os jovens  dos estudos, fazendo-os procurar meios não éticos  para sobreviverem. 
Não é por acaso que o Brasil possui o maior contingente de população carcerária do mundo! O pior é que os nossos agentes públicos se orgulham de possuir uma polícia eficiente para conseguir esse recorde. 
O correto seria comemorar o esvaziamento dessas universidades do crime através de um grande esforço na área educacional, o melhor antídoto para a barbárie. 
Triste é notar que esses depósitos de gente são compostos, em sua maioria, por negros e pobres. 
Sendo o país da corrupção, nada mais estranho que esses dados para demonstrar que também somos o país da falta de oportunidades e da injustiça social. 
Escrever sobre esses assuntos que são notícias só mesmo para profissionais. 
Espero que, afastado por algum tempo, consiga fazer outra leitura da nossa sociedade e retornar oxigenado ao saudável e prazeroso hábito de socializar minhas preocupações com relação, especialmente, à ética, à educação, à saúde, às inovações tecnológicas, ao respeito às crianças e aos idosos. 
Vou tentar essas férias após a publicação diária de mais de dois mil artigos. 
Espero encontrar mais ética e menos demagogia por parte dos nossos governantes no trato das nossas necessidades básicas após esse período de descanso. 
Aos que me honraram com suas leituras, meu muito obrigado e até breve.

29 de jan de 2016

Salgueiro 2016, fotos do ensaio técnico, por Valéria del Cueto

Fotos do ensaio técnico no Sambódromo, Rio de Janeiro, Brasil, domingo, 24 de janeiro de 2016.
A escola é a segunda  agremiação a desfilar na noite de segunda-feira, dia 08 de fevereiro, no Grupo Especial do carnaval carioca de 2016
Informações sobre a  Gres Acadêmico do Salgueiro
ensaio fotográfico  é de Valéria del CuetoSalgueiro 2016, ensaio técnico
Agradecimentos à Riotur e Liesa
Para mais informações curta nossa página no facebook Carnevale di Rio

Viradouro 2016, fotos do ensaio técnico por Valéria del Cueto

Viradouro 160124 094 Bateria Zé Paulo Sierra Apoteose

Viradouro 2016

Fotos do ensaio técnico no Sambódromo, Marques de Sapucaí,  Rio de Janeiro, Brasil, domingo, 24 de janeiro de 2016.

A escola é a quinta a desfilar na noite de sexta-feira, dia 05 de fevereiro, no Grupo de Acesso, no carnaval carioca de 2016
Informações sobre a  Gres Unidos do Viradouro
ensaio fotográfico  é de Valéria del Cueto
Viradouro 2016, ensaio técnico
Agradecimentos à Riotur e Liesa
Para mais informações curta nossa página no facebook Carnevale di Rio

Até Marina, por Gabriel Novis Neves

Até Marina
Finalmente Marina Silva saiu de cima do muro! Em entrevista à Rádio Gaúcha, a ex-senadora, ex-ministra e ex-candidata à Presidência da República, afirmou que Dilma “não tem mais liderança política no país nem maioria no Congresso”.
Não aprova o processo de impeachment que tramita na Câmara dos Deputados.
Diz que a responsabilidade pelas crises econômica e política cabe à Dilma e a Michel Temer, e defendeu o processo de cassação da chapa vitoriosa das eleições de 2014 via Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
“No meu entendimento, o melhor caminho para o Brasil é o processo de cassação da chapa vitoriosa das eleições com a comprovação que o dinheiro da corrupção foi usado para a campanha do vice e da presidente”, afirmou Marina Silva.
“Impeachment não é golpe, está previsto na Constituição, foi feito contra o Collor, foi pedido pelo PT várias vezes, e eles achavam que não era golpe”, comparou.
Marina disse que Dilma, na eleição presidencial de 2014, “não disse a verdade” sobre a nossa economia.
A fundadora da Rede falou que o discurso de Dilma em campanha agravou a situação do Brasil em 2015, no primeiro do mandato da petista.
“Se Dilma tivesse trabalhado com a verdade, assumiria que corríamos grandes riscos em relação aos inúmeros problemas que tivemos desde 2008”.
É engraçado porque, enquanto países do mundo correram atrás para resolver a crise, disseram aqui na terrinha que “era apenas uma marolinha, e chegaram a dar lição de moral até à Alemanha”.
“Diziam que, se eu ganhasse o governo não teria maioria no Congresso, e hoje a presidente não tem maioria”.
“Diziam que se eu ganhasse, eu iria tirar alimentos das pessoas pobres, e isso ocorre com a inflação que atinge a mesa dos trabalhadores”.
“Diziam que, se eu ganhasse, iria acabar com Pronatec e Prouni, e isso o governo está fazendo. As pessoas projetam em você o que vão fazer”, concluiu Marina Silva. 
Este artigo foi elaborado também com o Estadão.
Seu conteúdo mostra a situação grave que vivemos.