20 de ago de 2016

Feito inesquecível, por Valéria del Cueto

Triatlo 160818 023 garrafa água mãoFeito inesquecível

Texto e foto de Valéria del Cueto
“Como assim, já está acabando?”, “Agora que está ficando bom...” O diálogo entre dois membros da equipe de apoio do Rio Media Center, espaço de jornalistas, no Arpoador, traduz o sentimento geral de cariocas e visitantes nacionais e internacionais.
Está bom demais! Com cara de Rio de Janeiro. E problemas típicos da cidade maravilhosa. Tudo, quer dizer, quase tudo se resolve na gentileza. Baseada e resumida na máxima pregada pelo profeta local: “Gentileza gera gentileza”. Como ele se sentiria feliz com nosso comportamento olímpico. É nós!
Dá gosto circular, interagir com tantas culturas. Ter orgulho da cidade e da gente boa que circula pra cima e pra baixo. Tem defeitos, tem. E aquelas polêmicas tipicamente cariocas, que podem parecer exóticas para quem não conhece nossa capacidade de destrinchar, analisar, opinar e depois... mudar de ideia. Algo tipo os debates acalorados que acompanhamos e participamos, por exemplo, na época da temporada carnavalesca. É um tal de questionar contratações, discutir enredo, analisar samba, avaliar ensaio técnico pra mudar de opinião diante do que é apresentado na avenida que nem te conto. Todos os anos. Não gosta de carnaval? Pensa no futebol. Gostamos de debater, especular, como dizem os cuiabanos.
Tem debate pra todos os lados e níveis. E muitas palestras. Principalmente em rodas de negócios com apresentações de estratégias e perspectivas para a futura ex-cidade olímpica. Está certo. É a hora de vender o projeto Rio, cidade esportiva, polo de negócios, projetando seu amanhã. É um mundo paralelo aos jogos esportivos de envolve gente de todo mundo.
No metro, outros mundos se cruzam e convivem sem discriminação. Cheio e totalmente democrático, uma babel em cada vagão. Interessante a disposição do carioca para ajudar e informar os visitantes no meio do vai e vem. Vale tudo. Inglês, portunhol e, em último caso, uma boa mímica. Pra frente é que se anda!
Menos no esporte... Tem patrulha também querendo (de novo) explicações sobre a continência que alguns competidores batem na hora do hino nacional. Façam as contas de quantos medalhistas são das forças armadas. Foram nossos salvadores ao abraçarem os atletas de alta performance, dando-lhes condições de treinamento.
Entre expectativas, perdas e danos vamos aplaudindo nossos xodós. Duas conquistas foram emblemáticas. As meninas de Niterói da vela, Martine Grael e Mahena Kunze, e Alison e Bruno Schmidt, ouro nas areias de Copacabana no volei de praia. Pena que o surf só começa no Japão. A nossa cara!
Mas essa lista de destaques vai se alterando ao longo dos dias de competição. Robson, Rafaela, Ágatha, Felipe... Thiago no salto com vara assinou a performance brazooca no atletismo, protagonizado pelo corredor jamaicano Usain Bolt se sentindo em casa nas pistas cariocas.
É claro que tivemos decepções, mas as surpresas positivas estão fazendo que o sentimento de “logo agora que está ficando bom...” superem os perrengues operacionais e a grande polêmica dos jogos. O nadador americano Ryan Lochte e seus companheiros que, apesar de campões olímpicos, não entenderam a grandeza e a responsabilidade de seus feitos. Conseguiram criar um imbróglio esportivo e diplomático. Mais que isso: mancharam os princípios olímpicos de jogar de forma limpa, não no esporte, mas na vida. Nada que a perda de patrocinadores, diante da repercussão dos fatos não resolva ao faze-los lamentar profundamente a baixaria.
Para quase finalizar, nossos respeitos aos atletas brasileiros, independente dos resultados obtidos. O fato de terem chegado a competir numa Olimpíada, já é um feito inesquecível. E vamos ao encerramento!
Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Crônica da série “Arpoador” do Sem Fim...

17 de ago de 2016

A mais fina Flor de Cuiabá desabrocha olímpica #valerio2016

Boulevard Casa Brasil Flor Ribeirinha Delírio 160812 004A mais fina Flor de Cuiabá desabrocha olímpica

Texto e foto de Valéria del Cueto
“Zabumbar no fio da navalha é a nossa saída mais potente... a gente não faz festa porque a vida é fácil. A gente faz festa exatamente pela razão contrária”. A reflexão do historiador Luiz Antônio Simas, (coautor do “Dicionário da História Social do Samba”, em parceria com Nei Lopes, entre muitas outros livros) que, no jornal O Dia, assina uma coluna semanal sobre a cultura das ruas cariocas, explica a extensão da alegria vigente por aqui nos últimos dias.
A cidade, nem sempre bem-humorada diante dos acontecimentos recentes, se rendeu a seu próprio charme, assumiu suas mazelas e faz o que pode: depois de uma largada espetacular e alto astral vai arrumando os problemas que surgem. Alguns bem conhecidos e comuns para seus moradores. Tudo isso, fazendo festa! Esta é a sensação que qualquer pessoa tem, ao andar pelos locais preparados para circuito olímpico.Arpoador 160806
Depois da abertura com um dia clássico de Cidade Maravilhosa, nem Deus poderia manter o clima firme e limpo em pleno agosto. Aquele, o mês do cachorro louco. Ventanias provocaram o adiamento de provas e transtornos gerais. Os de trânsito acontecem a toda hora. E ainda tem o incrível e misterioso tom esverdeado da piscina do Parque Aquático...
No mais, é mais festa. Nos complexos esportivos, em Copacabana e no recém-inaugurado Boulevard Olímpico,  região do Porto Maravilha onde a estrela maior é a Pira Olímpica, na Candelária. Além dos mega espaços dos patrocinadores, o Rio está bombando.
Boulevard Pira Olímpica Brasil 160812 051
Especialmente as Casas dos países participantes dos Jogos espalhadas pela Zona Sul, Centro e Barra da Tijuca. São muitas. Algumas definitivamente concorridas e cheias de atrações, como a do Qatar, sede da Copa de Futebol de 2022. A riqueza (muita) e as atrações do país são apresentadas com a utilização de recursos tecnológicos de última geração e a reprodução de um mercado árabe. Como resistir a tantos atrativos?


25 das 52 casas são públicas e tem livre acesso. Poucas cobram ingressos. 27 só permitem a entrada de convidados e cidadãos do país. Caso da Casa da Rússia, no Clube Marimbás, em Copacabana. Lá está o protótipo do SportJet, avião da Sukhoi Civil Aircraft Corp de 60 lugares para  equipes e delegações esportivas. Com soluções para descansar, recuperar e relaxar atletas no ar, inclui equipamentos fisioterápicos, poltronas que monitoram informações biométricas, áreas de reunião para análise de jogos, competições e equipe administrativa. A empresa  planeja seu primeiro jato para o início da temporada de 2017-2018. Está em negociações com federações e times interessados.


Foi na Casa Brasil, no Armazém 2, na área do Porto Maravilha,  que Mato Grosso fez sua apresentação olímpica irmanado com Mato Grosso do Sul (a escolha dos estados foi sorteio). Mostraram a comida pantaneira, danças típicas e muita cultura.
Índios paramentados circularam pelo lounge do Rio Media Center. No ponto de reunião dos jornalistas do mundo inteiro que cobrem os Jogos 2016, divulgaram o roteiro do etnoturismo por aldeias da Rota Parecis. O luthier de violas de cocho, Alcides Ribeiro, explicava como é a produção do instrumento típico da cultura pantaneira ladeado por fotos de Caroline De Vita.Indio Paresi Clovito Irigaray 160813
E o Flor Ribeirinha? Ah, o Flor Ribeirinha... Depois da apresentação no auditório da vitrine do país nos Jogos incutiu de se apresentar para o público no Boulevard Olímpico. A falta de equipamento de som não foi problema para Dona Domingas que dispensou o impedimento com um simples “Dei(t)xa com a gente!”



As batidas no mocho, o dedilhar da viola de cocho e o ganzá, puxando o bailado do grupo, fizeram o efeito de sempre. O cururu e o siriri atiçaram a curiosidade dos passantes e a cantoria do São Gonçalo Beira Rio foi um espetáculo inesperado que encantou os visitantes.  Valerio Copacabana Palace 160809
DJs, Vjs, comidas típicas e atrações variadas animam os ambientes. É muita programação. Tanta que, em alguns momentos, é preciso lembrar o motivo principal de toda a movimentação: as competições esportivas mais importantes do planeta!
E os cariocas? Junto com os visitantes torcem, deliram e fazem a festa...
Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Crônica da série “Arpoador” do Sem Fim...
ILUSTRADO SEGUNDA A SÁBADO 2016.indd

11 de ago de 2016

Mato Grosso na rede da #Rio2016

- Impressionante o conteúdo e a riqueza de informações sobre Mato Grosso no site www.mtrio2016.com.br indicado pela Casa Brasil para quem quer conhecer os atrativos do estado. - aponta Tuinho, o "garção" do noGargalo, o boteco cuiabano,  e convida - Analisem a profundidade! Depois me contem...

 

10 de ago de 2016

Democracia, corrupção e justiça, palestra com Sérgio Moro e Carlos Ayres Britto #aovivo


O Instituto de Diálogos Constitucionais, vinculado ao UniCEUB, realiza palestra como tema: Democracia, corrupção e justiça: diálogos para um país melhor. Na ocasião, farão uso da palavra os ilustres palestrantes, entre eles Sérgio Moro e Carlos Ayres Britto


4 de ago de 2016

Quem não pode com mandinga não carrega patuá #eleições2016cuiaba


Mendes desiste de tentar reeleição e alega motivos familiares. O Mídia News informa que Prefeito se reuniu com governador Pedro Taques dentro de um carro e fez o comunicado.
-
A cobertura é de Ramon Monteagudo, Douglas Trielli e Airton Marques no site e todos os jornalistas políticos de todos os veículos de Cuiabá, certamente - informa Celito.

- Vejam a nota oficial - sugere Pedrão. - Ele afirma que ficará na prefeitura até o final do mandato, dia 31 de dezembro. Pensando, bem, não faz mais que a obrigação. Que pelo menos fique em campo até o final do jogo...